terça-feira, 28 de dezembro de 2010

TUDO DE NOVO


Final de ano, tempo de balanço geral, daí muitas vezes bate aquele sentimento de culpa por não ter conseguido cumprir tudo o que se prometeu no inicio do ano.

Mas é aí que pequenas coisas são capazes de mudar todo um contexto.

Hoje me dei de presente um CD, que entre canções havia uma especial - On the sunny side of the street (o lado ensolarado da rua). Uma canção de Jimmy McHugh e Dorothy Fields de 1930. Achei esse CD por acaso, apesar de não acreditar em acaso.

Foi assim que faltando 4 dias pro ano acabar, resolvi acabar de uma vez com qualquer sentimento blasé e partir pro ano 2011 num ritmo mais light, deixando atrás da porta de 2010 todas as antigas preocupações, procurando caminhar por essa rua de doze meses do melhor lado, porque se um acordo é sempre melhor que uma disputa, a vida pode ser bem mais doce se a gente caminhar do lado que bate o sol.

Então, como diz a letra da canção "pegue seu casaco, seu chapéu e vamos lá"..

Vamos descobrir o lado ensolarado de 2011. Um ensolarado ano novo pra todos nós.

video


segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

SWEET DREAMS...


Já li diversas vezes sobre a força que tem os nossos pensamentos e já tive provas concretas que funcionam. Juro. O problema é que quando a gente está dentro de uma crise, normalmente a atenção dada a ela é mais forte do que a crença, que as coisas estão mudando.
Acabei de ler num blog; "Se você primeiro criar o hábito de observar seus pensamentos e depois criar o hábito de substituir pensamentos negativos, por positivos, ira paulatinamente tendo resultados".O difícil é ir "paulatinamente substituindo".
Dá pra ir substituindo, quando o computador trava no meio de uma das melhores frases/idéias? Ou quando o telefone toca às 7hs da manhã e é telemarketing? E quando é aquela pessoa que você daria tudo pra que ela riscasse seu nome da agenda?
Conheço uma pessoa, que apesar de todos os golpes que sofreu na vida, gosta de se divertir jogando uma pessoa contra a outra. Essa é sua performance. Ha anos se diverte assim.Com direito a criar histórias mirabolantes, casos que jamais aconteceram e diálogos imaginários. Seu passatempo consiste em fazer duas pessoas se desentenderem e ri muito promovendo sua guerra particular, talvez como uma forma de se vingar do mundo, que até por razões óbvias, a exclui.
Parece filme, personagem, mas não é; Existe, é real. E o pior, como é uma pessoa bem próxima, de tempos em tempos, lembra de mim e volta a atacar. E eu não posso simplesmente deletar.
Nesse caso, a teoria do pensamento positivo, não funciona. Olha que eu tentei...
Mas como diz um amigo meu; será que não são justamente essas "pedras no caminho", que instigam a caminhar?
Será que não são esses nossos aparentes “inimigos", os maiores incentivadores dos nossos sucessos? Será que não seriam eles, uma grande razão para que a gente lutasse com perseverança, para provar a eles e principalmente a nós mesmos que somos bons?
Prefiro acreditar que sim, assim como prefiro acreditar que com ou sem crise, com ou sem amigos-inimigos, vale a pena acreditar nos nossos sonhos, que sempre (não importa quando e como) se realizam. Certeza. Eu garanto. Assim como garanto que o dia sempre vai nascer depois da madrugada e todos os dezembros serão natal, em todas as partes do mundo. Pode apostar.
Bom natal a todos os meus amigos (ou não). E bons sonhos. Sempre.
Musica do filme French Kiss - Um filme onde todas as adversidades foram necessárias para o happy end - Les Yeux ouverts (dream a little dream of me) - grupo Beautiful Song -
video

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

DANIEL FILHO - CARIOCAS

E lá vem Daniel Filho outra vez e com ele, o mesmo sucesso. 
Quem iria ousar fazer do livro "As cariocas", publicado em 67, uma série pra tv com as devidas atualizações, sem perder o charme inicial de Sergio Porto?

Acompanhando o trabalho de Daniel, me surpreendi ontem à noite com o episódio "A adultera da Urca". O trabalho de direção, fotografia e texto, rima exatamente com a narrativa, no bom estilo Nelson Rodrigues (contemporâneo de Sergio Porto), dando o tom bem humorado pra história.

Quem assistiu Dancin Days e ainda guarda a lembrança de Julia e Cacá (Sonia Braga e Antonio Fagundes), não imaginava que eles estariam de volta, anos e problemas depois, como todos os casais, mesmo eles, protagonistas de uma bela história de amor.

Dizem que simpatia é recíproca, eu acredito. Não é a primeira vez que Daniel Filho "usa" uma das minha canções em suas produções (para meu grande orgulho). Foi surpresa. Excelente surpresa. Parabéns Daniel e obrigada. De novo.

video

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

LOVE

Diante de tantas técnicas e medicinas reparadoras, que a cada dia reinventam mais uma fonte da juventude, eu comecei a refletir sobre a razão dessa corrida as clinicas de tratamento e cirurgias, as idas incansáveis as academias, essa ansiedade feminina, em cortar, moldar, decepar, passar fome, se estressar, pra ficar bela, mais bela, ainda mais.....

Há que ser bela pra ser amada, repete a mídia. Amada por ela mesma, amada pelo outro e por esse amor não se medem esforços, sacrifícios, riscos de vida. Afinal, ainda segundo a mídia, o sexo dito frágil, para ser aceito tem obrigação de ser perfeito, nada menos do que isso. E elas acreditam. E enquanto acreditam a industria da chamada beleza, cresce e enriquece. Apenas um detalhe:

- É garantido, que uma mulher linda, perfeita, segundo nossos padrões de beleza, ganha o direito de ser amada de verdade? Não falo de adoração de fã, mas do amor fiel e leal, capaz de abdicar qualquer outra coisa por ela. Existe alguma mulher fantástica que seja também fantasticamente amada? Ok, existe, porem, na maioria das vezes, o amor mesmo, parece não ser endereçado a mulher perfeita. Vinicius que me perdoe, mas beleza nunca foi fundamental.

Dentre as mulheres mais amadas da história, a gente tem alguns exemplos.

Wallis Simpson, a Duquesa de Windsor – Americana, divorciada varias vezes, sem beleza nem origem e educação necessária para ocupar um lugar ao lado de Edward VIII, herdeiro do trono da Inglaterra. Por ela, ele abdicou do seu reinado, se afastou da família, provocou um escandalo no país, mas se casaram e viveram juntos, amantes e felizes até o final dos seus dias.

Yoko Ono – Até prova o contrário, foi ela o estupim que fez com que Lennon acabasse com o grupo mais famoso da história da musica e também não era nada bela, nem sexy, nem jovem...

Frida Kahlo - Amante dos mais interessantes homens do seu tempo, adorada e cultuada inclusive pelo homem que ela amava . Ela era mais ela e com bigode e tudo.

Camila Parker - Ela teve tal importancia na vida do príncipe Charles, a ponto de sugerir a ele a nova princesa da Inglaterra (Diana, que apesar de bonita, foi traída, mal amada, etc). Camila continuou como sua amante até finalmente se casar com ele, sendo como todas as outras; sem beleza, divociada, com filhos e mais velha que a sua ex mulher.

Domitila de Castro, a Marquesa de Santos - Nada bonita, com muitos filhos e que ainda mantinha vários amantes.Por muito pouco deixou de ser imperatriz do Brasil. O grande amor do imperador D. Pedro l.

Bom, essas e outras mais, incluindo Cleópatra que dizem, nada tinha de beleza, mas com seu poder de sedução dominou Julio Cezar e Marco Antonio.

Alguém conhece alguma mulher conhecidamente linda, que tenha abalado corações masculinos a ponto de mudar o rumo da história? Ta bom, a Carla Bruni, a escandalosa senhora Sarkozy, é bonitinha, mas não abalou (por mais que tentasse). Talvez precisasse enfear um pouco, engordar, emagrecer, envelhecer ou quem sabe, estudar na cartilha da Yoko...

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

A SAUDADE QUE EU GOSTO DE TER

Uma noite, lá pros anos 70, acordei com uma musica que vinha do quarto dos fundos de nosso apartamento. Fui até onde vinha a musica e lá estava meu irmão, com violão compondo, visivelmente emocionado.
Perguntei o que tinha acontecido. Ele me contou que havia sonhado com nosso avô (maestro e compositor) e que no seu sonho, o vovô regia uma orquestra com aquela musica. Meu irmão havia acordado e se lembrado da musica inteira, então decidiu colocar uma letra nela.
Concordei com ele, quando disse que a canção era um presente que ele tinha acabado de ganhar e apesar de um pouco assustada com a história, me emocionei com a letra que ele estava escrevendo.
Essa música depois de pronta, foi gravada com naipes de violinos e outros instrumentos acústicos que realizaram em estúdio, algo muito próximo ao que meu irmão presenciou em sonho. Eu ajudei nos vocais.
Porém, antes de ser gravada, foi com ela que ganhamos diversos festivais de musica por esse Brasil a fora, o que ajudou, em grande parte, para o desenvolvimento da nossa vida profissional.



Presente do vovô.

Sábado que vem, dia 13 é aniversário do meu irmão. Não tenho dúvidas de que qualquer dia desses a gente se vê, e vamos continuar de onde paramos, das novidades que ainda não contamos, das canções que ainda não fizemos, das brincadeiras e dos risos que estão guardados no tempo, pra quando esse dia chegar. Naquela época, talvez ele sentisse, mas eu não sabia que a vida poderia ser tão misteriosamente irônica...


quarta-feira, 10 de novembro de 2010

UM DIA A CASA CAI

Tem gente que ainda pergunta, por que não se ouve mais uma boa música nas rádios. Foi o público que mudou?

Pra quem ainda não sabe, é bom estar consciente que só se ouve, se vê e se compra, aquilo que a mídia decide. Jamais o publico vai conhecer uma música por melhor que seja, se o compositor, cantor, gravadora, não tiver dinheiro suficiente ( leia-se muito dinheiro)para que essa canção seja tocada. Tanto em rádios como em programas de televisão. Tenho amigos que me mostram canções lindíssimas, que jamais serão tocadas, jamais serão conhecidas pelo publico.

Da coluna de Flavio Ricco - Uol - vazou uma "tabela" dessa manipulação que em nome da "divulgação", legalizou o que antes era proibido.

coluna do Flavio Ricco - Uol

---------------------------------------

Um dos programas mais conhecidos, gerado de São Paulo, cobra R$ 45 mil para duas apresentações. Este valor é dividido ao meio, porque a televisão também leva a parte dela. Detalhe: com nota fiscal.
Ninguém admite ou fala escancaradamente sobre o assunto, mas como se vê não tem sonegação. Legal, mas imoral.
Outro programa semanal, na mesma televisão, cobra bem menos. Apenas R$ 20 mil, também por duas músicas, porém, neste caso, a emissora não tem participação. Tudo feito por debaixo do pano.
O dinheiro é dividido em sua maior parte entre o diretor e o apresentador, além da comissão de praxe ao intermediário.
Mas isso não chega a ser nenhuma novidade. No rádio, principalmente em emissoras dos grandes centros, esta é uma prática de muito tempo. Os preços em São Paulo variam de R$ 10 mil a R$ 30 mil, conforme a colocação no Ibope. Também com nota fiscal.
São 3 execuções diárias durante 20 dias.
-----------------------------------------------------------------------------

Eu fico pensando em quem está chegando agora, iludido por seus sonhos de arte e talento. Minha vontade seria dizer: - Amigo, isso deixou de ser importante, faz tempo. Quem chegou lá, chegou. Quem não chegou, não chega mais. A não ser que tenha muito dinheiro pra "sustentar" essa "divulgação milionária".

Mas não digo nada, até porque ainda tenho aquele restinho de esperança lá no fundo (ou seria intuição?).

Vai que aparece algum "espertinho" e descobre que pode ganhar muito mais dinheiro de outra maneira e a coisa muda?

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

CULTURA É LIBERDADE

Faltando alguns dias para a decisão e ainda com muitos indecisos, é bom saber que alguem se lembrou que precisamos de arte e cultura.
Do blog de Sydney Rezende, um trecho da apresentação de José Serra hoje a tarde na televisão:
" José Serra falou sobre a presença da cultura, da arte e do esporte na vida brasileira e citou os jovens como promovedores do desenvolvimento do setor, chegando a citar o trecho de uma música dos Titãs.

- O Brasil faz bonito e não deixa nada a dever. Grande parte do talento está na nossa juventude. Da garotada e rapaziada que estuda e está em busca de emprego. Andando por esse Brasilzão inteiro, quando jovens estão precisando de um incentivo. Quero fazer um governo amigo do jovem brasileiro. Como diz a letra dos Titãs: A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte".

Como diz um amigo meu: Preferências e convicções à parte, impossivel negar que é hilário. Assista:

sábado, 17 de julho de 2010

SEMPRE DEU CERTO

Já que não existe censura com relação a informação da violência urbana, eu resolvi censurar a TV no horário do jornal, antes de ficar traumatizada com noticias, na maioria das vezes aterradoras e que são veiculadas em horários, ao meu ver, completamente inapropriados.
Tenho uma amiga que jantava exatamente nesse horário ao mesmo tempo em que assistia ao jornal.Nem preciso dizer que ela adquiriu um problema estomacal que só não se tornou mais sério porque ela, assim como eu, resolveu desligar a TV.
Quem disse que só a calamidade dá audiência? Tem mais coisas que agradam e, na minha opinião, muito, mas muito mais interessantes.
Um bom exemplo disso foi a novela "Almas Gêmeas". Seu autor Walcyr Carrasco traduziu de forma séria e delicada, o romance de duas almas que se encontram, se perdem e se reencontram indefinidamente através dos tempos, a despeito dos conflitos permanentes da vida. Uma lição de amor diferente de outras, com verdade e cultura espiritual que tocou de tal forma o público que, a pedidos, foi reprisada, conseguindo igual ou maior audiência no horário da tarde.
Grande texto, grandes atores, lindas músicas e o mais importante: Seríssima mensagem.
Não é a primeira vez que se produz histórias nesse gênero, porém nem todos os autores são capazes de discorrer sobre o tema com essa elegância e beleza. Isso sim, vale a pena.
Tenho certeza de que, se ao invés de se repetir inúmeras vezes todos os requintes usados em assassinatos, se repetissem mais vezes todas as formas possíveis de amor, seguramente teríamos mais motivos para comemorar a vida, porque o amor sempre dá certo, quando é amor.



domingo, 27 de junho de 2010

TEMPO, TEMPO, TEMPO, TEMPO

É, eu fiquei um tempo sem escrever no blog, mas eu posso explicar : Eram tantos assuntos, tantos e tantos, que eu fiquei sem assunto...Ou não, como diria Caetano.
Daí um dia, conversando com um amigo, veio a tona um assunto que acredito, muita gente já debateu - Efeito Schumann.
Do princípio - Otto Schumann (20/05/1888 -2209/1974) foi um físico alemão, que declarou a Ressonância Temporal. Mestre em engenharia elétrica no Colégio Técnico em Karlsruhe, em 1912 ele ganhou um doutoramento com a alta tecnologia da sua tese.
Foi professor e diretor no Electrophysical Laboratory na Universidade Técnica de Munique em 1924 e professor do Electrophysical Institute, onde continuou até 1961, quando se aposentou, mas continuou ensinando até 75 anos (que pra ele provavelmente não chegava á isso). Explico:
Schumann constatou que a Terra é cercada por um campo eletromagnético que se forma entre o solo e a parte inferior da ionosfera, que fica 100km acima de nós.
Esse campo magnético possui uma frequencia de ressonancia basicamente constante (7.83 ciclos por segundo - hz)) É como um marca passo responsavel pelo equilibrio da biosfera, condiçaõ comum a todos os tipos de vida.
Os nossos cerebros são dotados da mesma frequencia - 7.83herz
Por milhares de anos a Terra pulsou nesta frequencia e a vida se desenvolveu normalmente. Mas a partir de 1980 houve um aumento de frequencia - de 7.83 para 11hz - Em 1990 aumentou, passando de 7.83 para 13hz (quase 65%).

Por coincidência, a partir desse período aumentaram os desequilíbrios ecológicos e sismológicos: Alterações climáticas de toda ordem, maior atividade vulcânica, de terremotos, e inclusive no comportamento emocional das pessoas; além do claro aumento na incidência de doenças.

Ainda, segundo dados científicos,esta aceleração na freqüência da “ressonância Shumann”, teria reduzido o “antigo” período útil diário de 24 horas, para 16 horas.

Daí a sensação de que o tempo está passando rápido demais, não seria apenas uma "sensação", mas uma constatação científica, repetida por outros estudiosos da matéria como Gregg Braden, Leonard Boff e mesmo o físico finlandês Matti Pitkanen, que declara "até nossa vida consciente é modificada pelos campos magnéticos".

Esse assunto se estende por horas a fio e paginas e paginas na Internet, mas cá entre nós: A idade que consta nos seus documentos é a mesma que você sente e vê no espelho? Já se passaram 10 anos desde os anos 2000?

E no entanto o relógio continua a marcar 24 horas...


sábado, 1 de maio de 2010

MONSTROS S/A

Vivemos numa sociedade onde a cultura do medo se interpõe cada vez mais. Basta assistir ao jornal. Nossos problemas, fantasmas, medos, saem do armário quando menos se espera. Só que existem maneiras e maneiras de encarar nossos monstros.
Outro dia, assisti ao filme “Monstros S/A” da Disney. Filme para crianças? Mais ou menos. Como a maioria (senão todos) dos contos infantis, esse filme traz uma mensagem subliminar para nós, adultos, que já ouvimos antes, porém esquecemos em alguma parte do caminho. Os monstros são realmente monstros?
O filme conta a história de uma sociedade que sobrevive do “medo das crianças”. Esse medo proporciona a energia necessária para toda uma sociedade. Na verdade, os “monstros” não passam de funcionários de uma empresa, que estão lá, se esforçando para assustar. É o trabalho deles. E o medo é muito mais deles em relação às crianças do que o contrário disso. Até que um dia, eles descobrem que o riso é capaz de proporcionar muito mais energia ainda. Mas até chegar á essa conclusão, muita história rola, muitos “medos” ou “risos” ao som da belíssima trilha, especialmente de "If I didn't have you" de Randy Newman.
Um dos filmes mais inteligentes da parceria Disney/ Pixar. Adorei, me diverti muito e refleti sobre os medos impostos em nossa sociedade. Nada como “Monsters Incorporation”, no dia do trabalho.
P.S - O CD da trilha ganhou o Grammy Award de melhor album musical infantil de 2003 .

sábado, 17 de abril de 2010

PEQUENOS DETALHES


Dizem que a gente só dá valor a alguém, depois que perde. 
Que valor é esse que aparece só na ausência? Á bem da verdade, eu acho que a maioria de nós se esquece de lembrar.
Lembrar o que fez com que o relacionamento chegasse no ponto final. Isso, geralmente, depois de muitas vírgulas e reticências.

Todos os relacionamentos passam por bons momentos, não fosse assim, não seria um relacionamento. Mas porque não, lembrar a verdadeira razão, que nos levou a conclusão, de que ser feliz sozinho é melhor do que sofrer junto? Não seria mais sincero, apesar de menos romântico?

Ninguém termina uma história á dois sozinho, do mesmo jeito que ninguém começa. Tudo é feito de comum acordo, salvo raríssimas exceções. Sendo assim, é sempre empate. Zero á zero.
O que fica são os “detalhes tão pequenos de nós dois”, que cabem muito bem numa canção, mas que feliz ou infelizmente, não são coisas tão grandes assim pra esquecer. Se fossem não haveria um final.

Eu continuo acreditando que amor pra ser amor só pode ser á dois, o resto é companheirismo, atração ou seja lá o que for. Não leva mais que alguns capítulos. O resto é costume e quem entendia bem disso era Oscar Wilde “a gente se habitua até aos nossos piores vícios”.

Tudo á ver esse “Samba do grande amor” do Chico na interpretação impecável de Wanda Sá e da Celinha Vaz – grande Celinha...

sábado, 3 de abril de 2010

CHICO XAVIER

Sábado de aleluia, chovendo, meio da tarde e o cinema lotado. Fila enorme e a sala completa. Que filme é esse? – Chico Xavier.
Como de praxe, um filme que tem a direção de Daniel Filho é sinônimo de sucesso e esse, especialmente pela biografia contada, baseada no livro de Marcel Souto Maior, não poderia deixar de ser.
É a história de uma criança diferente das outras, tímida, calada, sofrida, que tinha como confidente sua mãe – já morta – e seus amigos desencarnados.
Acho que a maioria dos brasileiros conhece sua vida, sua dedicação e a grande ajuda prestada não só as familias que buscavam mensagens de entes queridos, mas tambem a justiça, desvendando crimes insolúveis através de confissões psicografadas de vítimas.
Um filme assim em outras épocas, seria alvo de chacotas, ironias e descrença. Hoje em dia o assunto, mesmo para os descrentes, merece o devido respeito.
Fui criada ouvindo sobre kardecismo por parte do meu pai, apesar de estudar em colégio católico. Crescí no meio do caminho, até que comecei a questionar um lado e o outro. Através do tempo, dos acontecimentos em minha vida e de estudos da história geral encontrei mais sentido nas explicações espirituais, que nos mistérios convencionais e mesmo não sendo frequentadora dessa ou daquela, cheguei ás minhas próprias conclusões (até por uma questão de lógica).
Assim como Chico Xavier, meu pai tambem foi incompreendido por um longo período, mas ser incompreendido, não era tão importante pra ele. Sua missão (segundo ele) era educar seus filhos, prover sua família e manter a paz, enquanto estudava, lia, escrevia e rezava, todas as noites, quando chegava do trabalho.
Foi com ele que aprendí a ler e escrever, conhecer cada músico erudito (vida e obra) literatura, pintura e a respeitar todas as crenças. Foi com ele que aprendi a perdoar e ajudar sempre que possível, quem quer que fosse. Só mais tarde descubri que essas são as regras primordiais do kardecismo.
Talvez tenha sido por todas essas coisas que entrei no cinema, cheia de dúvidas e sai de lá em paz.
Pode ser que ele próprio tenha estado lá rezando com Chico, comigo, com todos, a mesma oração que me ensinou quando eu era pequena:
“Pai Nosso....”